Mary John

Por: Fernanda Martins | Em: 27 / janeiro / 2020

Ana Pessoa nasceu em Lisboa em 1982 e vive em Bruxelas onde trabalha como tradutora. Ela é autora de três livros e todos foram publicados aqui no Brasil. A obra dela que eu li leva o título de Mary Jonh, publicado pela editora SESI-SP. A leitura dele foi realizada fora do clube Leia Mulheres, e ela me chamou a atenção desde a primeira página, quando Mary Jonh começa sua narrativa dizendo “Decidi escrever para você agora mesmo. Cheguei em casa me sentei e escrevi isso.” E logo em seguida “Porque penso em você em todos os minutos de todas as horas de todos os dias.”

O livro é narrado pela protagonista Mary Jonh ou Maria João, que está escrevendo uma carta para Júlio. Essa não é uma carta qualquer e no decorrer da leitura nos deparamos com diversos acontecimentos que atravessam desde a sua infância até a adolescência. E nesse jogo de palavras usados por Maria João podemos perceber sua “mágoa e o seu humor”, como diz a escritora.

A forma como a adolescente organiza seus sentimentos ao escrever essa carta surpreende, e em alguns momentos percebe-se a angústia ou ansiedade tomando conta dela, que anseia que Júlio leia a carta e depois não quer que ele leia. Ela está se forçando a deixar um passado, esquecer um amor e simplesmente seguir a vida, e a carta inaugura isso. Como disse o pai de Maria João “O amor é um perigo” e na adolescência tudo fica a flor da pele.

Esse livro de Ana pessoa me surpreendeu e me deu novas perspectivas. Não podemos forçar superações e quanto mais tentamos, mais são as possibilidades de falharmos. As superações têm que acontecer naturalmente e nada melhor que um grande desabafo em forma de carta para ajudar. Tenha sido enviada ou não, a carta de Maria João tem toda a essência de uma adolescente que está decida e que já se conhece bem o suficiente.

Fernanda Martins

Graduanda na área de Licenciatura em História pela Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). Leitora ativa desde a infância, sou fã de poesias e contos. E estou sempre na luta em defesa da educação, da Amazônia e de movimentos que acredito que podem mudar o mundo.

Veja outros posts de Fernanda Martins