Potências do encontro

Por: Fernanda Gehrke | Em: 12 / junho / 2019

“O olhar de estranhamento é ameaçador, porque ele pergunta”. Mariana Mendes surpreende desde as primeiras linhas no seu primeiro livro de contos, Potências do encontro. São histórias que fazem nítida referência a autores clássicos, mas também episódios que poderiam perfeitamente acontecer no cotidiano de qualquer autor. Como não lembrar de A metamorfose de Kafka no conto sobre um escorpião amarelo?

Temas como a maternidade, a injustiça social e a fragilidade dos relacionamentos de hoje estão muito presentes nas doze histórias contadas na obra. O conto que dá título ao livro traz um jogo de interpretação e sedução divertido e bem construído.

A sexualidade também é abordada, essa através de uma personagem que escreve uma carta para si mesma. Também aparecem temas como a gravidez, o envelhecer, a busca por um lugar no mundo.

Há espaço, ainda, para brincadeiras e rituais conhecidos por muitos de nós, como o cílio que cai e é usado como pretexto para se fazer pedidos que poderão ou não ser atendidos, dependendo de para qual lado o cílio cair. Detalhes simples do cotidiano que ganham importância ao serem publicados em um livro.

As metáforas são quase tão poderosas quanto os encontros. A mãe que “chora pelos mamilos” é uma das personagens mais marcantes, que não poderia ter sido desenvolvida senão por uma mãe. E foi vivendo a maternidade plenamente que Mariana publicou esse primeiro livro, com a sensibilidade e a criatividade afloradas como nunca.

Fernanda Gehrke

Jornalista com especialização em Poéticas Visuais. Leitora voraz, cinéfila e mãe coruja, é mediadora do clube de leitura #LeiaMulheres de Sarapuí-SP.

Veja outros posts de Fernanda Gehrke